quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Plataformas do metrô

O que separa a plataforma da direita da plataforma da esquerda
é muito mais que os vagões no meio.
Se uma é sentido sul e outra é sentido norte,
uma é sentido vida e outra é sentido morte.
Uma é o sentido da vida e a outra é também.
E esse sentido das coisas ninguém pode ou não quer ver.
Sentido, então, fico eu, triste e perdido,
pois parece tão óbvio:
o significado das coisas está numa estação de metrô.

Se o sol nasce numa plataforma,
em não muitas horas, se porá na outra,
para, então, nascer o outro sol em mim.
E as batidas em meu peito se tornarão mais audíveis
E os carinhos de tuas mãos se mostrarão mais temíveis,
pois na manhã seguinte aguarda-me outra vez a estação de metrô.
E se tuas mãos eu não mais tiver,
toda hora será como quando nasce o sol:
na plataforma sentido morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário